* Dia do Autistão *

Seguindo o sucesso do evento do 31 de março de 2018,
a Organização Diplomática do Autistão propõe,
cada ano a partir de 2019,
o conceito do “Dia do Autistão“.

É um conceito:

  • Que responde à iniciativa do Dia Mundial da Conscientização do Autismo proposto pela ONU (do qual apoiamos o princípio geral), e que utiliza a mesma data (cerca de 2 de abril);
  • Que é “autista”: organizado por pessoas autistas, portanto, no respeito do autismo (a Organização Diplomática do Autistão é especializada em autismo, que não é o caso da ONU);
  • Que é global (porque a nossa visão do autismo é global, extra-nacional).

Grupos e organizações de autistas, de pais de autistas, ou outros, que organizam eventos para defender os autistas e o autismo em torno do 2 de abril, podem decidir organizar seu evento em harmonia com o dia do Autistão.

  • Para participar, você pode organizar o seu evento como quiser, mas aqui estão 7 Condições (C1 a C7) para respeitar:

C1- (Obviamente) Fazer ações para conscientizar o público sobre o autismo, no espaço público (físico, ou virtual na Internet).

C2- Usar a bandeira do Autistão (ou elementos da bandeira: neste caso, consulte-nos para ver se é apropriado), com um link para a página atual (https://autistan.org/wp/pt/dia-do-autistao/) na sua comunicação (anterior, durante o dia, e posterior).

C3- Use o título “Dia do Autistão” (o que não impede o uso de outros títulos, nomes de associações, etc.)

C4- Verificar que as mensagens, apresentações e publicações do evento respeitam os Direitos Fundamentais das pessoas Autistas de acordo com a Organização Diplomática do Autistão (https://autistan.org/wp/pt/8-direitos/).

C5- Verificar que as mensagens, apresentações e publicações do evento são consistentes com a nossa visão do autismo (https://autistan.org/wp/pt/9-nosso-explicacao-sobre-autismo/), em particular por nunca usar uma abordagem “defectologica” do autismo.
– Exemplos de mensagens incompatíveis :
— “O autismo é uma doença“: não, é uma diferença biológica natural (como ser canhoto, anão ou albino) ;

— “O autismo é um transtorno (ou um conjunto de distúrbios)”: não, o autismo é o autismo, e as dificuldades associadas ao autismo não são o autismo ;
— “Lutar contra o autismo“: não, mas, pelo contrário, lutar para o autismo… (para entender, respeitar, usar e respeitar as características e qualidades autísticas) ;
— “Sair do autismo“: não, mas sim superar as dificuldades (especialmente as impostas pelo ambiente social), respeitando a natureza autista da pessoa ;
–“Terapias“: não, mas “aprendizagens” e “adaptações”, sim. (A palavra “terapia” evoca uma idéia de “tratamento médico”, mesmo que seja usada figurativamente.)
-Se você pode fazer que as pessoas entendem esses fundamentos essenciais em seu evento, isso será muito útil para o seu público, e isso também será um exemplo da utilidade da nossa organização.

C6- Envie-nos os links das publicações relativas ao seu evento (anteriores e subsequentes), mencionando o Autistão (com pelo menos um link para Autistan.org), para que possamos publicá-los também. (contact@autistan.org)

C7- Não use a “fita” (como para o HIV) na comunicação do evento.
-Explicação: o autismo não pode ser comparado ao HIV; somos opostos ao “catastrofismo”; estas fitas são para pragas muitas vezes mortais e muito tristes, e o autismo não tem nada a ver com isso; nós não queremos ser igualados com coisas tristes e assustadores, e que todos gostariam de se livrar.

  • Além destas 7 condições, aqui estão 4 Recomendações (R1 a R4) para tentar seguir o máximo possível:

R1- Se possível, convide um Embaixador do Autistão ou um outro membro (ou patrocinador, ou apoiador) da nossa organização.

R2- Se possível, tente harmonizar o evento local com outros eventos organizados por outras associações ou grupos como parte do conceito “Dia do Autistão”.

R3- Se possível, não use o imagens de “quebra-cabeças” na comunicação do evento.
-Você pode usar apenas o mínimo, quando é impossível de remover, por exemplo, em caso de presença de “quebra-cabeça” no logotipo da associação que organiza.
-Explicação: para as pessoas autistas, não tem “quebra-cabeças” sobre o autismo: é uma coisa natural para nós; É, pelo contrário, o funcionamento muito absurdo e prejudicial do sistema social não-autista que merece ser corrigido.
-A organização que criou este conceito de “quebra-cabeça” não é uma organização de autistas e não envolveu autistas nesta idéia. Nós não conhecemos nenhum autista que gosta deste conceito de “quebra-cabeça”.
– Mais explicações : http://www.judyendow.com/advocacy/goodnight-autism-puzzle-pieces/https://the-art-of-autism.com/the-autism-puzzle-piece-a-symbol-of-what e https://web.archive.org/web/20160220153444/http://unpuzzled.net/2012/05/02/i-am-not-a-puzzle-from-reports-from-a-resident-alien/

R4- Se possível, evite a iluminação de monumentos em azul, e em qualquer caso, não se refere ao título “Light It Up Blue”.
-Você pode usar a luz azul como você deseja, mas evite copiar o conceito “Light It Up Blue”.
-Explicação: este conceito é parte da abordagem “defectologica” e “alarmista” do autismo que usa fitas e quebra-cabeças.

-Informações para entender melhor: alguns autistas, cansados desta abordagem que não respeita os autista nem o autismo, inventaram um conceito inverso: Tone it down taupe


  • Explicações para evitar “confusão automática”, em relação às “condições” e “recomendações” acima:
    • Nossa maneira positiva de ver o autismo não é nem uma “posição ideológica” nem uma espécie de “negação de problemas”.
      Nós nunca dizemos que não tem problemas ou que não precisa de esforços, adaptações, soluções, etc.
    • Mas é essencial compreender que o autismo em si não é nem uma doença, nem uma desordem, nem um defeito, nem um problema, a fim de distinguir entre “autismo” e “dificuldades”: na verdade, as dificuldades devem ser resolvidas respeitando o autismo, não tentando apagá-lo.
      É obviamente impossível fazer isso se confundimos “autismo” e “dificuldades”.
    • É muito prejudicial querer garantir que as pessoas autistas se adaptem, buscando “apagar” o autismo em vez de tentar entender as qualidades dele, e desenvolvê-las (reduzindo os problemas).
    • É injusto, “ditatorial” e contraproducente (sem mencionar o sofrimento gerado) forçar as pessoas autistas a se adaptarem a um sistema absurdo e injusto, sem fazer nenhum esforço para adaptar-se recíprocamente, e sem procurar para corrigir as falhas sociais gerais (“Transtornos não-autísticos”), que causam autistas a sofrer primeiro. 
    • É impossível resolver as dificuldades das pessoas autistas se o autismo é considerado um defeito, porque isso gera um erro fundamental que impede a compreensão do autismo, razão pela qual a maioria das famílias não conseguem avançar, e ainda estão bloqueadas (e às vezes “perdidas”) em histórias de “enigmas” (quebra-cabeças) ou outras coisas incompreensíveis, alarmistas, e não respeitosas da realidade.

  • Notas sobre o título “Dia do Autistão”: 
    • Nós não precisamos especificar “Mundo” em “Dia do Autistão”, porque o Autistão já é um conceito global;
    • Nós não precisamos especificar “Conscientização” em “Dia do Autistão”, porque o Autistão já é um conceito de conscientização;
    • Nós não precisamos especificar “Autismo” em “Dia do Autistão”, porque o Autistão já é um conceito totalmente autista, que é, aproximadamente, “o autismo segundo os autistas”.
    • Isso mostra que o conceito chamado “Autistão” é particularmente adequado para a conscientização do autismo no nível global.