loader image
Site Overlay

5/ Embaixadas

As embaixadas do Autistão

0/Codigos de país azuis: nossas embaixadas (online) – códigos de país negros: nossas páginas Web para os países

HQ UN AE AM AQ AR na AU AZ BA-PK BA-ru BE BD BG BG BR BS BT por BZ CA CD CF CH CI CL CM CN CO CR CY CZ DE DK DO DZ EC EE EG ES ET FI FJ FM FR GA GF GL GP GQ GR GT GY HK   NH HR HT HU ID IE IL IN IR é ele JM JO JP Kauz KR KE KG KH KP KW KZ LA LB LI LK LT LU LV MA me meIQ MG MK ML MN MQ MR MT MU MX meu NC NG NI NK-am NL não NP NU NZ OM PA P E PF PG PH PK PL PS PT PW PY QA RJ-em RU RO SA SC SE SG SJ SK SN SR SV TH ti-CN TJ TK TM TN para TR TV TW UA UK UY UZ VE VN VU US WS YT ZA RE TF CP FB

 

1/ Apresentação geral

2/ A utilidade das embaixadas

3/ Pre-visualização e links para o (aproximadamente 150) embaixadas e páginas da Web


1/ Apresentação geral

As embaixadas do Autistão representam o Autistão para os Estados ou territórios “oficiais”, e para as organizações e autoridades nacionais e internacionais.

Nossas representações podem ser:

  • Local e material (i.e. “embaixadas físicas”): um espaço físico em um país, usado exclusivamente como uma embaixada do Autistão.
    (Por exemplo: um escritório, como a embaixada do Autistão no Rio de Janeiro, Autistan.rio)
  • Local e imaterial (ou seja, “embaixadas on-line”)
    : uma Internet “domínio de nível superior do código de país” ou “ccTLD” (como “Autistan.ae”, “Autistan.be”, “Autistan.kz”, etc.) é uma forma “minimalista” de ter uma presença real em um país (e também uma proteção legal mínima de o nome “Autistan”), dado que tal domínio é gerido dentro desse país, e dado que as páginas Web anexadas a esse domínio têm de respeitar as leis locais.
    Este tipo de relação entre a nossa organização e o país é muito tênue, mas é melhor do que nada.
    Nós possuímos mais de 70 domínios do país, que estão custando aproximadamente $2000 anuais: ter que encontrar este dinheiro cada ano é um desafio muito difícil.
  • Não-local e virtual (ou seja, “páginas Web”
    ): para alguns países e regiões, as duas opções acima não são possíveis.
    Nesses casos, só podemos criar representações “remotas” para esses países, através de páginas da Internet.

2/ A utilidade das embaixadas

As embaixadas são úteis para a auto-estima dos autistas (o que é muito importante), mostrando aos autistas de um país que eles não são “sempre esquecidos”.

É muito importante para nós, os autistas, ter pelo menos um lugar inteiramente gerido por nós mesmos e por nós mesmos, em vez de sermos apenas convidados, às vezes (mais ou menos pela caridade), às reuniões e em lugares geridos por outros (como hospitais ou “centros”) onde são apenas convidados temporários, e onde as principais decisões são tomadas sem nós.

Uma embaixada autista é também uma forma de “manifesto”, que mostra muito claramente a ausência de “vergonha” ou sentimento de inferioridade, ou de ser “doente”.

Isso também ajuda o autistas (e os pais) a aceitar a sua diferença, por exemplo, em países onde as pessoas não ousam falar sobre o seu “autismo” (ou o autismo de seu filho).

Nas embaixadas físicas, poderia haver “salas de show”, ou “museus autistas”/”museus do Autistão”, mostrando realizações, criações, coleções, diplomas, etc. Etc.
Seria muito bom para autistas “tímidos”, mas também para os pais, a fim de mostrar-lhes as possibilidades oferecidas pelo autismo.

Em geral, as embaixadas do Autistão (e nossa organização) podem certamente ser útil para uma melhor compreensão e aceitação do autismo pelo público geral.

É possível ser um embaixador do Autistão em um país, mesmo que não haja nenhuma embaixada física.

Aliás, as embaixadas também poderia ser usado pelos viajantes autistas que chegam em um país, por exemplo. para informações, endereços, etc.


3/ Pre-visualização das embaixadas e páginas da Web

Clique em uma imagem para ir para a embaixada ou página da Web (em uma nova janela)

Sede mundial


Nações Unidas

Emirados Árabes Unidos


Armênia


Antartica

Argentina

Áustria

Austrália

Azerbaidjan

Baluchistão

Bashkortostan

Bélgica

Bangladesh

Bulgária

Bolívia

Brasil

Bahamas

Butão

Belarus

Belize

Canadá

Congo

República Centro-Africana

Suíça

Costa do Marfim

Chile

Camarões

China

Colômbia

Costa Rica

Cuba

Chipre

República Tcheca

Dinamarca

República Dominicana

Argélia

Equador

Estônia

Egito

Espanha

Etiópia

Finlândia

Fiji

Estados Federados da Micronésia

França

Gabão

Guiana francesa

Gronelândia

Guadalupe

Guiné Equatorial

Grécia

Guatemala

Guiana

Honduras

Croácia

Haiti

Hungria

Indonésia

Irlanda

Israel

Índia

Irã

Islândia

Italia

Jamaica

Jordânia

Japão

Karakalpakstan

Coreia do Sul

Quênia

Quirguistão

Camboja

Coréia do Norte

Kuaite

Cazaquistão

Laos

Líbano

Liechtenstein

Sri Lanka

Lituânia

Luxemburgo

Letônia

Maroc

Montenegro

Mesopotâmia antiga

Madagascar

Rebublic de Macedonia

Mali

Mongólia

Martinica

Mauritânia

Maurícia

México

Malásia


Nagorno-Karabakh


Nova Caledónia

Nigéria

Nicarágua

Países Baixos

Noruega

Nepal

Niue

Nova Zelândia

Omã

Panamá

Peru

Polinésia francesa

Papua-Nova Guiné

Filipinas

Paquistão

Polônia

Palestina

Portugal

Palau

Paraguai

Catar

Rajasthan

Rússia

Romênia

Arábia Saudita

Seychelles

Suécia

Cingapura

Svalbard e Jan Mayen

Eslováquia

Senegal

Suriname

El Salvador

Tailândia

Tibete

Tajiquistão

Tokelau

Turquemenistão

Tunísia

Tonga

Turquia

Tuvalu

Taiwan

Ucrânia

Reino Unido

Uruguai

Uzbequistão

Vietnã

Vanuatu

Estados Unidos da América

Samoa

Mayotte

África do Sul

Reunião

Terras do Sul e Antárctica francesas

Clipperton-paixão